1/8 de Yoga

A prática de asanas (posturas) do Yoga representam apenas 1/8 de todo o sistema de Patanjali, os 8 passos do Yoga, e não o todo.
Os outros 7/8:
1. Yama (princípios morais universais)
2. Nyama (princípios de autopurificação)
3. Pranayama (controle rítmico da respiração)
4. Pratiahara (contenção dos sentidos)
5. Dharana (concentração)
6. Dhyana (meditação)
7. Samadhi (união do corpo, mente e alma com Deus)

Quantas vezes paramos para nos analisarmos como Yogues?

Será que estamos cumprindo as tarefas de casa? Ou pelo menos tentando?

E aquela matéria em que somos mais fracos? Estamos dando atenção especial a ela ou simplesmente deixando de lado e nos prendendo as mais fáceis?

Se conhecer é conhecer os próprios medos, falhas, desilusões e monstros que habitam dentro si. Por isso sempre fugimos dessa árdua tarefa.

Fiquem na paz!

Gui Silva

Karma, a lei de causalidade

Muito se fala sobre o karma. Para nós, ocidentais, sempre está associado a um aspecto negativo (“Esse é o meu karma!”), mas na realidade essa lei de causa e efeito, ao mesmo tempo que é tão simples, possui diversos detalhes.

A palavra karma vem da raiz sânscrita kri que significa ação. O karma é a soma total de todos os nossos atos físicos e mentais (positivos e negativos), tanto nesta vida como nas anteriores, assim como os resultados destes atos, isto é, causa e efeito. Afinal, onde exista uma causa deve sempre haver um efeito, assim como nenhum acontecimento tem lugar sem que exista uma causa. Tudo na natureza obedece a esta lei. Patanjali resume bem essa relação causa-efeito quando diz que teremos alegria ou tristeza como fruto, conforme a causa seja virtude ou vício (Y.S. II-14 – Te hlada-paritapa-phalah punyapunya-hetutvat).  Continuar lendo

Yogas citta-vrtti-nirodah

Querer explicar o que é Yoga é como querer explicar o que é Deus. Vários são os caminhos, alguns convergem, outros não, todos certos à sua maneira. Dentre a infinidade de opções, podemos optar por um dos mais conhecidos Sutras: Yogas citta-vrtti-nirodah (Y.S. I-2). Patanjali resume de maneira simples e objetiva a natureza essencial do Yoga, ou seja, que o Yoga é o controle das flutuações da mente. Mas para entendermos como isso acontece, precisamos primeiramente entender o conceito e a relevância de cada palavra. Continuar lendo